1.4122

Vareta Tig e arame Mig 1.4122, para soldas em aços ferríticos ligados ao cromo e aços fundidos de composição química semelhante.  Os depósitos podem ser temperados para obter a dureza desejada, aceitando polimento para acabamentos de alto brilho.

REF: 122 Categorias: ,

Vareta Tig e arame Mig 1.4122 de aço inoxidável martensítico, com 17%Cr e 1%Mo. Os depósitos de solda apresentam não apenas alta dureza, como também excelentes propriedades antifricção .Da mesma forma, boa resistência à corrosão. Indicados principalmente para efetuar enchimentos em peças sujeitas ao impacto, atrito metálico, compressão e sobretudo à abrasão. As soldas aceitam tratamentos térmicos, com uma dureza acima de 450HB na segunda camada de solda. São usinadas frequentemente empregando ferramentas de corte ou rebolos.

A vareta Tig e o arame Mig 1.4122 fabricados pela empresa Novametal do Brasil, são utilizados frequentemente em uniões de aços ferríticos inoxidáveis com 13-18% de cromo, com cordões de solda que apresentam uma coloração semelhante metal de base.

Considerações técnicas para fazer enchimentos duros com a vareta e o arame 1.4122

Condição superficial

A princípio, o requisito mais importante é que a peça de trabalho esteja limpa e ademais livre de ferrugem ou carepas. Do mesmo modo, a escovação, retificação e limpeza com solventes pode ser aplicada com o intuito de remover sujeiras, graxas, ferrugem etc.

Preaquecimento

Empregado com a finalidade de reduzir:

1. Desenvolvimento de  trincas. O hidrogênio que é criado principalmente a partir da umidade, aumenta a chance de fissuração na zona afetada pelo calor. O preaquecimento diminui a taxa de resfriamento, permitindo dessa forma, que o hidrogênio escape do metal fundido.

2. Criação de tensões de contração. O metal de solda derretido se contrai enquanto esfria, o que com toda a certeza  produz tensões residuais. Por conseguinte, podem ser causadas rachaduras durante a soldagem. Preaquecendo as peças de trabalho, o diferencial de temperatura com o metal de solda certamente é reduzido.

3. Porosidade nas soldas. Novamente, o hidrogênio é o culpado. O preaquecimento eliminará, antes de mais nada, a umidade da superfície metálica e por consequência, a tendência à formação de poros.

4. Zonas rígidas adjacentes às soldas. O preaquecimento diminui a taxa de resfriamento, de tal forma que fornece uma microestrutura mais dúctil.

5. Distorção estrutural. O preaquecimento, com toda a certeza, pode ajudar a minimizar esta situação, reduzindo por conseguinte, o diferencial de temperaturas durante o resfriamento.

Norma: DIN X39CrMo 17-1 (1.4122)

Composição Química (%)

C= 0,,33-0,45
Si= 1,0
Mn=1,5
Cr=15,5-17,5
Ni=1,0
Mo=0,8-1,3

Resistência à tração: >690N/mm 2

Aplicações: eixos de aço inoxidável, pistões, partes de bombas e compressores, rolamentos, superfícies de embreagem de caminhões, pás de ventiladores, etc..