Uniões dissimilares com eletrodo inox E309

Soldagem dissimilar com eletrodo inox

O eletrodo inox E309 é comumente recomendado para fazer ligações heterogêneas entre o aço AISI 304 com aços carbono e também para revestimentos superficiais resistentes à corrosão. Da mesma forma, o eletrodo austenítico E309Mo se utiliza para unir o aço AISI 316 com aços estruturais ferríticos.

Soldagem dissimilar com eletrodo inox austenítico

A soldagem de materiais diferentes se emprega frequentemente na indústria de geração de energia, em refinarias petroquímicas, fabricação de componentes automotivos, caldeiras, instalações de mineração e da mesma forma  em processamento de minerais.

Unir materiais diferentes, como aço inoxidável e aço carbono, é com toda a certeza, uma escolha muito mais econômica do que fabricar uma estrutura inteiramente em aço inoxidável. Além disso, a resistência à corrosão fornecida pelo aço inoxidável faz-se necessária para o funcionamento normal dos equipamentos nessas instalações. O aço carbono, sendo um produto menos ligado e mais barato, desempenha certamente um papel importante na redução dos custos de fabricação.

Entretanto, o aço carbono não pode ser soldado diretamente aos aços inoxidáveis ​​austeníticos com o eletrodo inox E308. Pois o metal de solda formará martensita com baixa ductilidade e que, à medida que se contrai, pode por conseguinte, provocar fissuras. Portanto, a escolha do metal de adição adequado será fundamental para obter uma soldagem bem sucedida.

O eletrodo inox E309 representa com toda a certeza, a melhor alternativa para unir o aço AISI 304 com aços carbono. Por outro lado, a avaliação da microestrutura final do metal de solda diluído, pode ser feita empregando o diagrama de Schaeffler. Verificando que conterá aproximadamente 4% de ferrita na matriz austenítica. Assegurando dessa forma, uma boa resistência à fissuração.

Técnicas de soldagem

Os processos por arco elétrico Tig, Mig e eletrodo revestido são muito adequados para soldar aços inox austeníticos aos aços carbono ou baixa liga. A soldagem devera ser realizada à temperatura ambiente, sem preaquecimento, a menos que o aço carbono tenha um teor de carbono superior à 0,2% ou uma espessura de mais de 30 mm. Nessas circunstâncias, se aconselha preaquecer o lado ferrítico a uma temperatura de 150 ° C e trabalhar com consumíveis totalmente secos.

Preparação de juntas

Ao soldar aço galvanizado ao aço inoxidável, é essencial remover a camada superficial de Zn, com a finalidade de evitar fissuração à quente no metal de solda. As superfícies das juntas devem estar limpas e ademais isentas de graxas, tintas ou óleos. Pois os contaminantes poderão provocar um aumento de carbono na região de solda, com possível sensibilização à corrosão intergranular.

Eletrodo inox E309L

Composição Química (%) – Valores típicos

C = 0,04 % max
Si = 0,90 % max
Cr = 22,0 % – 25,0 %
P = 0,04 % max
S = 0,03 % max
Ni = 12,0 % – 14,0 %
Mo = 0,75 % max
Mn = 0,5 % – 2,5 %
Cu = 0,75 % max

 

Eletrodo inox E309Mo

Composição Química (%) – Valores típicos

C = 0,07 %
Si = 0,90 %
Cr = 22,0 % – 25,0 %
P = 0,04 %
S = 0,03 %
Ni = 12,0 % – 14,0 %
Mo = 2,0 % – 3,0 %
Mn = 0,5 % – 2,5 %
Cu = 0,75 %